segunda-feira, abril 21, 2008

Mais um volume do velho safado pra estante

"O que pode ser pior do que crescer nos Estados Unidos da recessão pós-1929? Ser pobre, de origem alemã, ter muitas espinhas, um pai autoritário beirando a psicopatia, uma mãe passiva e ignorante, nenhuma namorada e, pela frente, apenas a perspectiva de servir de mão-de-obra barata em um mundo cada vez menos propício às pessoas sensíveis e problemáticas. Esta é a história de Henry Chinaski, o protagonista deste romance que é sem dúvida uma das obras mais comoventes e mais lidas de Charles Bukowski (1920-1994)"

Dessa vez, ele não me fez perder o ônibus, mas só não devorei suas 300 páginas num dia só porque tive outras coisas pra fazer, li parte por parte durante três dias, do momento que o ganhei até as três horas da madruga de sexta pra sábado.

Basicamente um livro de história dos Estados Unidos com linguagem e visão marginal, narrativa no melhor estilo bukowskiano. Todas as "boas companhias" estão lá, as mulheres com algum detalhe tosco, os cigarros, as cervejas, os vinhos baratos e a máquina de escrever. Bukowski realmente comove nessa obra.

A melhor pedida para o escapismo, para a fuga da rotina e dos sentimentos que nos torturam diariamente. Recomendado!

2 comentários:

Amanda Bia disse...

fiquei muito curiosa!!!
adorei o new template!
beijos!

clabrazil disse...

Tantas semelhancas com a vida de um imigrante na Alemanha...
Nao há de ser mera coincidência!
Ótima dica.

Clarisse
PS. Pus link seu no meu blog.

Postar um comentário